Sophia

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

GRIPES E RESFRIADOS


João Silva de Mendonça é médico, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia. Trabalha no Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo onde dirige o Serviço de Moléstias Infecciosas.
Na cultura brasileira, qualquer espirro é sinônimo de gripe. A pessoa abre a geladeira, espirra porque entrou em contato com o ar frio e imediatamente se considera gripada.
Essa banalização do que é a gripe tem inconveniente sério, pois não se trata de uma doença com a benignidade que a maioria imagina. Em crianças, pessoas idosas ou imunodeprimidas, pode ser uma moléstia grave e até causar a morte.
Gripe e resfriados são doenças virais e vão muito além de um simples espirro. Embora os sintomas sejam semelhantes, os da gripe são bem mais intensos. Há até uma regra prática para distinguir uma enfermidade da outra. Se a pessoa foi trabalhar apesar do nariz escorrendo, do peso na cabeça e da irritação na garganta, não está com gripe, está resfriada. A gripe derruba a pessoa, deixa-a de cama, sem a menor condição de sair de casa e trabalhar.
SINTOMAS DIFERENCIAIS
Drauzio – Por que você acha que, no Brasil, espirro é sinônimo de gripe?
João Silva de Mendonça – Confundir espirro com gripe é uma tradição cultural do brasileiro que, muitas vezes, usa a palavra gripe para designar o resfriado comum ou uma simples rinite alérgica, que nem doença infecciosa é. Essa concepção equivocada faz com que a gripe seja considerada uma doença relativamente leve que não demanda muitos cuidados e preocupação.
Drauzio – Como distinguir os sintomas da rinite alérgica e do resfriado?
João Silva de Mendonça – A rinite alérgica é muito comum em São Paulo por causa dos alérgenos soltos na poluição ambiental. Os sintomas se manifestam especialmente no nariz que fica obstruído, com secreção, entupido, como se diz vulgarmente, e a pessoa espirra várias vezes durante certo período de tempo.
No resfriado, os sintomas são parecidos com os da rinite alérgica, mas vão além. Ele pode vir acompanhado de uma faringite branda, ou seja, uma leve dor de garganta (o paciente diz que a garganta arranha ou arde um pouco), uma discreta febrícula (37º e fração) e um pequenino mal-estar. Quem está resfriado apresenta essa sintomatologia durante três ou quatro dias e ela vai desaparecendo espontaneamente; quem está resfriado não interrompe suas atividades, sejam elas de caráter físico ou intelectual. Apenas o desconforto do nariz incomoda e exige pausas para a higiene nasal adequada.
Drauzio – E os sintomas da gripe, quais são?
João Silva de Mendonça – Na gripe, o quadro é diferente. A pessoa obrigatoriamente tem febre que não ocorre em picos isolados e ultrapassa 38,5º, às vezes chegando aos 40º. Quem está com gripe fica vários dias com febre e tem um comprometimento geral importante. Dores no corpo, popularmente descritas como quebradeira, sensação de mal-estar muito intensa, cabeça levemente torporosa comprometem a atividade física e intelectual.
E mais: o vírus da gripe não se manifesta apenas na rinofaringe, mas em toda a árvore respiratória, ou seja, na traqueia, brônquios e eventualmente nos pulmões. Portanto, trata-se de uma doença de maior extensão e intensidade, sobretudo para as pessoas debilitadas. A gripe pode causar complicações graves e, eventualmente, morte, o que não ocorre nos casos de resfriados e rinite alérgica.
VÍRUS DO RESFRIADO
Drauzio - O resfriado é uma doença provocada por inúmeros de vírus. Há mais de 200 vírus implicados nesse processo infeccioso.
João Silva de Mendonça – Entre os vírus que provocam resfriado, estão os rinovírus (só este grupo tem mais de 100 tipos diferentes), os coronavírus e alguns dos mais antigos e conhecidos vírus da medicina.
Somando todos os que provocam resfriados, existem algumas centenas de vírus de sorte que, no transcorrer da vida, podemos ser acometidos por dezenas ou talvez por mais de uma centena de resfriados. Contra esses vírus, vamos adquirindo imunidade, mas permanecemos com potencial para desenvolver a doença se entrarmos em contato com qualquer um dos demais.
Drauzio – Por isso as crianças têm mais resfriados do que os adultos?
João Silva de Mendonça – Elas têm mais resfriados porque não são imunes, ou seja, ainda não adquiriram defesas específicas contra esses vírus. À medida que vão crescendo, adquirem imunidade contra parte deles e o número de episódios diminui, embora o resfriado possa manifestar-se do nascimento à velhice, em qualquer faixa etária.
Drauzio – Quer dizer que montamos uma resposta imunológica contra o resfriado que acabamos de ter, mas vamos ficar resfriados outras vezes, porque virão vírus contra os quais não temos defesas.
João Silva de Mendonça – Exatamente. Existem algumas centenas de vírus e não desenvolvemos imunidade cruzada. Ela é específica para o rinovírus que provocou aquele determinado resfriado. Se entrarmos em contato com um rinovírus diferente, teremos outro episódio da doença.
VÍRUS DA GRIPE
Drauzio – É mais ou menos a mesma coisa que acontece com a gripe que também é provocada por muitos vírus diferentes.
João Silva de Mendonça – Os vírus que causam a gripe têm um nome específico. São chamados de vírus influenza. Há até uma história interessante a respeito desse nome. A gripe é uma doença com a qual a humanidade convive há milênios. Em tempos muito antigos, não se conhecia a causa da doença, mas na Itália se percebeu que havia uma relação clara entre os episódios que chamamos hoje de gripe em situação epidêmica e a época do frio. A cada inverno se repetiam verdadeiras epidemias da doença. Os italianos diziam que isso era influenza di freddo, isto é, influência do frio. Dessa expressão derivou influenza, o nome dado ao vírus da gripe. Nos países de língua inglesa, ele se reduziu a flu, apenas.
Os vírus da influenza se caracterizam por estar em permanente mutação ou por sofrerem um fenômeno que tecnicamente chamamos de recombinação genética. Quando ocorre mutação, surge um vírus primo do anterior e nós temos alguma defesa contra o novo porque conhecemos o mais antigo.
Nos casos de recombinação genética, aparece um vírus totalmente novo, contra o qual não temos defesa nenhuma e que pode causar uma pandemia, ou seja, uma epidemia de gripe, às vezes muito grave, que pode espalhar-se por toda a humanidade.
Drauzio – Nós temos experiências tristes de pandemias no passado. A gripe espanhola, por exemplo.
João Silva de Mendonça – No século XX, foram registrados três episódios de pandemia. O mais grave e mais famoso foi a gripe espanhola em 1918 e 1919. Em 1957, ocorreu a gripe asiática e em 1968, a gripe de Hong Kong. Tudo leva a crer que a humanidade não está livre dessas pandemias. Elas poderão voltar a qualquer momento, com toda a gravidade e mortalidade que trazem consigo.
Um fato curioso é que, durante a gripe espanhola, criou-se o hábito de dizer “saúde” para a pessoa que espirrava. Dentro daquele contexto, a saudação expressava o voto de que ela não fosse infectada pelo vírus de uma gripe que matou tanta gente. Esse costume continua arraigado na população brasileira. Um espirro e o amigo do lado, às vezes até um desconhecido, diz prontamente: Saúde!
FRIO COMO CAUSA DA GRIPE
Drauzio – Você falou da influência do frio no aparecimento dos casos de gripe. Isso para as mães é um terror. Elas agasalham em demasia os filhos e, de todas as formas, procuram evitar que saiam no sereno ou tomem vento, especialmente vento encanado nas costas. Na verdade, gripes e resfriados são doenças virais. Se não existir o vírus, não há vento nem frio que faça uma pessoa pegar gripe.
João Silva de Mendonça – Na transmissão da gripe, o problema não é o frio propriamente dito, mas as aglomerações que se formam em ambientes fechados quando baixa a temperatura. A proximidade entre as pessoas facilita a transmissão do vírus. Portanto, o frio não é causa da gripe, apenas cria condições para maior disseminação do vírus em lugares não ventilados onde as pessoas tossem, espirram, ou falam muito perto umas das outras.
Drauzio – Já que as gotículas de saliva ou de secreção respiratória que eliminamos quando falamos, tossimos ou espirramos carregam o vírus da gripe, qual a distância segura entre uma pessoa e outra para evitar a contaminação?
João Silva de Mendonça – Nas doenças de transmissão respiratória em que a partícula que transporta o vírus é pesada – e isto é uma regra não só para gripes e resfriados – o natural é ela se precipitar e pousar no solo como rege a lei da gravidade. Para que alcance outra pessoa, é preciso que a proximidade entre ela e a que transmitiu o vírus pela tosse ou pelo espirro seja menor do que 90cm ou 1m.
TRANSMISSÃO DO VÍRUS
Drauzio – É costume entre os brasileiros, numa reunião social, a pessoa gripada ou resfriada afastar o rosto para não ser beijada e oferecer a mão, gesto protetor mas pouco eficiente para evitar a transmissão do vírus.
João Silva de Mendonça – Esse é um dos muitos conceitos arraigados no ideário popular que demonstram falta de conhecimento sobre o mecanismo de transmissão do vírus.
A mão pode ser veículo de transmissão do vírus não só da gripe e do resfriado, mas de outras moléstias infecciosas. Não há como fazer uma higiene cuidadosa da secreção nasal sem contaminar as mãos. A não ser que sejam lavadas cuidadosamente cada vez que a pessoa assoa o nariz, o vírus fica viável durante algum tempo e passará no aperto de mão para outra pessoa que, sem querer, coçará o nariz e fechará o ciclo.
Drauzio – O que se faz é exatamente o oposto do que deveria ser feito. Seria melhor dar um beijinho no rosto do que apertar as mãos.
João Silva de Mendonça – Há outro hábito cuidadoso que deveria ser sempre respeitado. Ao tossir ou espirrar, a pessoa deveria afastar-se e cobrir a boca e o nariz com um lenço para evitar a disseminação do vírus entre os presentes.
TRATAMENTO DE GRIPES E RESFRIADOS
Drauzio – Como a pessoa deve agir quando está com gripe ou resfriado? Tem gente que toma injeção, xarope e outros medicamentos. Isso resolve?
João Silva de Mendonça – Assim que apareciam os sintomas de gripe ou resfriado, os brasileiros tinham o costume de ir à farmácia e tomar injeções, de preferência na veia. As mais usadas tinham coloração esverdeada e traziam aroma de eucalipto para a respiração. Embora se sentissem reconfortados e desconsiderando o fator psicológico, esses medicamentos não tinham efeito absolutamente nenhum sobre a doença. Além disso, representaram um problema bastante sério. Na época, não era rotina utilizar seringas descartáveis e houve muita transmissão do vírus da hepatite por injeções tomadas na farmácia com seringas e agulhas que eram fervidas e reaproveitadas.
Felizmente, essa tendência de procurar uma injeção para aliviar os sintomas respiratórios quase desapareceu por completo. Na verdade, o que o indivíduo com gripe precisa é de repouso e boa hidratação oral para umedecer as secreções a fim de que sejam mais facilmente expelidas. Além disso, deve buscar alívio sintomático. Pode tomar analgésicos e antitérmicos, com recomendação para evitar o ácido acetilsalicílico e dar preferência ao paracetamol e à dipirona, se tiver febre e dor. Pode também usar descongestionantes nasais para afastar o desconforto do nariz obstruído e, na fase de tosse produtiva, xaropes que fluidifiquem a secreção para facilitar sua eliminação.
Drauzio – A hidratação é fundamental. Muito do mal-estar da gripe e resfriado pode ser atribuído à má hidratação. A pessoa tem dor de garganta e deixa de tomar líquidos.
João Silva de Mendonça – É isso mesmo. E não é só a dor de garganta que influi. A febre alta aumenta a perda de líquido pela transpiração. Por isso, a pessoa tem de se cuidar e hidratar-se adequadamente. Pode ser com água, sucos e outros líquidos que, além de boa hidratação, deem um mínimo de suporte calórico.
AÇÃO DA VITAMINA C
Drauzio – Os laboratórios promovem extensa publicidade na mídia sugerindo que a vitamina C previne gripes e resfriados. Qual é sua opinião sobre o assunto?
João Silva de Mendonça – Essa é uma história muito complexa porque na liderança de defesa do uso maciço de vitamina C no combate ao resfriado está um cientista que recebeu o prêmio Nobel e contrapor-se a um prêmio Nobel não é lá muito fácil.
Drauzio – Na verdade, o Linus Carl Pauling recebeu dois prêmios Nobel: o de Química, em 1954 e o da Paz, em 1962. Não desmerecendo seu valor, prêmio de Medicina não recebeu nenhum.
João Silva de Mendonça – Toda a investigação metodologicamente conduzida com vitamina C para evitar a gripe ou aliviar sua virulência apresentou resultados negativos. Ou seja, a Medicina não conseguiu dar suporte científico para essa indicação. A última revisão metodológica sobre o assunto saiu publicada há poucos anos numa revista de enorme prestígio na área médica, a New England Journal of Medicine, da Universidade de Harvard, em Boston (USA) e a conclusão foi a mesma: não foi encontrado fundamento sólido que justificasse indicar vitamina C nos casos de gripes e resfriados.



terça-feira, 15 de julho de 2014

PÍLULA DO DIA SEGUINTE

PERGUNTAS E RESPOSTAS


Juliana Conte

Há muitas dúvidas acerca da pílula do dia seguinte. Ela é abortiva? Depois de ter feito sexo desprotegido, tenho quanto tempo para tomá-la? Ela é eficaz? Posso tomá-la mais de uma vez por mês?

Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas sobre o contraceptivo de emergência (pílula do dia seguinte), que é vendido sem receita médica nas farmácias ao custo de aproximadamente R$ 20,00, conversamos com o dr. Donizetti Ramos dos Santos, médico do Núcleo de Mastologia do Hospital Sírio-Libanês de São Paulo, e com a dra. Marta Curado, presidente da Comissão de Anticoncepção da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Quando devo usar a pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte é um contraceptivo de emergência, portanto deve ser utilizada somente em último caso. Nos Estados Unidos a chamam de plano B. Ela deve ser usada quando, por exemplo, a camisinha estoura no momento da ejaculação. Ou então quando a menina se esquece de tomar a pílula anticoncepcional durante dois, três dias e só se lembra no momento do coito. Em casos de estupro ela também é amplamente utilizada. Portanto, não se deve fazer de seu uso um hábito nem tomar mais que uma dose por mês. É importante ressaltar a importância desse medicamento na vida das mulheres, pois ele tem diminuído em mais de 50% a taxa de gravidez indesejada e evitado milhares de abortamentos.

Saúde da mulher

A pílula tem alguma contraindicação?

Mulheres com distúrbios metabólicos, principalmente insuficiência hepática e tromboembolismo venoso devem evitar tomar o medicamento. É importante conversar com um médico antes.

Posso tomar a pílula mais de uma vez por mês?

Não é recomendado, pois ela perde a eficácia, aumentando o risco de gravidez. Além disso, graças a sua alta dose de componentes hormonais, ela pode causar reações adversas como náuseas, alteração do ciclo menstrual, dor de cabeça e diarreia.

Como a pílula do dia seguinte age no organismo? Ela é abortiva?

Não. O principal objetivo da pílula é bloquear a ovulação e com isso dificultar a incidência de gravidez. Caso a mulher não tenha ovulado, o anticoncepcional de emergência deverá impedir ou retardar a liberação do óvulo, evitando a fertilização. A pílula não deixa formar o endométrio gravídico (camada que recobre o útero para receber o óvulo fecundado e cuja descamação dá origem à menstruação).

Depois do sexo desprotegido, quanto tempo tenho para tomar a pílula?

O ideal é que a mulher tome a pílula o mais próximo possível da relação sexual desprotegida. Mas ela tem até 3 dias (72 horas) para fazer isso. Nas primeiras 24 horas, por exemplo, a eficácia da pílula é de 88%. O medicamento é vendido em dose única e em dois comprimidos. Solicitamos que a mulher tome um comprimido e espere 12 horas para tomar o outro. Entretanto, para não haver esquecimento, ela pode tomar os dois de uma vez também.

É necessário receita médica para adquiri-la?

Não. Nos postos de saúde a receita também não é mais exigida, o que foi um enorme avanço em termos de saúde pública. Antes a mulher tinha que esperar quase dois meses para consultar um ginecologista. Nesse meio tempo, se ela esperasse a pílula, já estaria grávida. Atualmente, a mulher pode ir até o posto e se não tiver um médico de plantão, o próprio enfermeiro está autorizado a fornecer o medicamento a ela. Além disso, se ela for menor de idade, não é preciso estar acompanhada dos pais.

Normalmente o enfermeiro ou o técnico de enfermagem vai sugerir que ela converse com um médico posteriormente com o objetivo de ver se ela não está utilizando esse medicamento como único método contraceptivo, o que não é indicado.

Após utilizar o contraceptivo de emergência, posso continuar tomando pílula anticoncepcional ou tenho que esperar menstruar?

Espere vir a menstruação e comece a tomar uma nova cartela de pílula. Mas não faça sexo desprotegido, a pílula do dia seguinte não tem efeito cumulativo.


http://drauziovarella.com.br









domingo, 13 de julho de 2014

Cólicas Menstruais

POR QUE MULHERES TÊM CÓLICAS MENSTRUAIS?


Segunda-feira, 6:30h da manhã, o despertador toca, mas você não tem coragem de sair da cama, pois sente cólicas menstruais terríveis e tem a impressão de que a qualquer momento algo vai sair do seu útero por causa das contrações. A cabeça dói, o abdômen fica inchado e o remédio demora a fazer efeito. O problema afeta cerca de 80% das mulheres em algum momento da vida, segundo dados de uma pesquisa feita por um laboratório farmacêutico.

A primeira dica é investigar a causa da cólica, pois a dor pode ser sinal de algo mais sério como má formações uterinas, endometriose, miomas, entre outras. Se após exames preventivos o ginecologista chegar à conclusão de que é uma dismonorreia essencial, ou seja, a cólica está relacionada aos eventos que antecedem a menstruação e não há interferência de outras enfermidades, o mais recomendado é utilizar medicamentos específicos para a dor. A ginecologista Marta Curado sugere que três dias antes de ficar menstruada, a mulher tome, a cada 8 ou 12 horas (dependendo da orientação do médico), anti-inflamatórios não hormonais que vão impedir que o útero se contraia.

”A ideia é evitar que os sintomas apareçam. Os antiinflamatórios vão inibir a ação da prostaglandina, que causa as contrações. Na verdade, o útero se contrai para expulsar o endométrio (revestimento interno do útero), em forma de sangramento, quando o óvulo não foi fecundado”, explica Curado.

Em relação aos inchaços, o ginecologista Donizetti Ramos dos Santos explica que a partir da ovulação, o ovário passa a produzir mais progesterona, hormônio que retém mais sódio e água. “Por isso a mulher se sente inchada e até as mamas ficam mais sensíveis. Pode haver também alterações em vasos sanguíneos e artérias, que podem causar vasodilatação, responsável pela dor de cabeça que faz parte da TPM (Tensão Pré-Menstrual).”

1. ENTREVISTA

Cólicas menstruais

2. ENDOMETRIOSE

Endometriose leva sete mulheres à cirurgia diariamente em […]

Dispositivos

Para evitar as cólicas, a pílula anticoncepcional também pode ser uma arma poderosa, além de ser um método eficaz de contracepção. Alguns medicamentos permitem que a mulher fique totalmente sem menstruar. Mas, para algumas, os efeitos colaterais como dor de cabeça, náuseas e inchaço são bastante recorrentes.

Na opinião do médico, o DIU (dispositivo intrauterino ) de progesterona é uma das melhores ferramentas da medicina para acabar com esse problema específico da mulher. “Em um procedimento rápido, o dispositivo é inserido pelo ginecologista no útero da mulher. A progesterona é liberada diariamente durante um período de cinco anos. A maioria das mulheres para de menstruar e todos os sintomas da TPM vão embora. Se ela quiser engravidar, basta pedir para o ginecologista retirar o DIU e a menstruação volta normalmente. O dispositivo não atrapalha nada, nem as relações sexuais”, explica.

http://drauziovarella.com.br



Impotência Sexual



José Mário Reis é cirurgião vascular, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Impotência. Ele foi um dos pioneiros a estudar a impotência sexual masculina no Brasil.

Leonardo da Vinci, célebre mestre do Renascimento, baseado no fato de que acontecem ereções noturnas involuntárias, concluiu que o cérebro não controlava a função do pênis que, para ele, tinha mente própria. Ao dissecar cadáveres de pessoas enforcadas, da Vinci observou que o pênis endurecia quando se enchia de sangue e descreveu o mecanismo da ereção. No que se refere à sua autonomia, no entanto, ele estava enganado. O cérebro tem integração fundamental com o mecanismo da ereção.

O pênis é enervado por dois grupos de fibras nervosas. Uma carrega sinais inibitórios que impedem a ereção; a outra, sinais excitantes que a facilitam. Esses dois sinais integram-se na medula, localizada no centro da coluna vertebral. Para ser mais preciso, na parte inferior da coluna. Por isso, o pênis pode enrijecer sem a participação direta do cérebro, praticamente por reflexo nessa região da coluna. Entretanto, por comunicação estabelecida através de nervos, esses sinais entram em contato com a região mais central e profunda do cérebro especialmente ligada às emoções e à memória a qual, por sua vez, articula-se com o chamado cérebro pensante, isto é, com o lobo frontal localizado na frente e na camada mais superficial do cérebro, onde se processam o arrazoamento e as tomadas de decisão.

Esses mecanismos cerebrais totalmente integrados permitem que o cérebro, através de circuitos de neurônios, provoque sinais inibitórios e excitativos a fim de que o sangue conduzido pelas artérias penetre nos corpos cavernosos e, retido dentro deles por compressão, promova a ereção. Quando o sangue reflui, isto é, quando volta para a circulação geral, o pênis fica flácido e a ereção desaparece. Desarranjos nesse mecanismo podem ser a causa das disfunções eréteis.

Até 10 ou 20 anos atrás, pouco se conhecia a respeito da fisiologia sexual masculina e da fisiologia da ereção. Nos últimos anos, porém, extensa variedade de estudos provocou uma revolução nessa área, possibilitando melhor entendimento da fisiologia peniana e, consequentemente, a descoberta de novos métodos cirúrgicos e farmacológicos para o tratamento da impotência.

DISFUNÇÃO ERÉTIL

Drauzio – Em que consiste a disfunção erétil?

José Mário Reis – Para o indivíduo ser considerado impotente, precisa manifestar disfunção erétil permanente. Uma falha ocasional de ereção, que pode acontecer com todos os homens, não enquadra ninguém nessa categoria. Por outro lado, quando se fala em impotência sexual, muitas vezes estamos nos referindo a outras manifestações da sexualidade masculina que nada têm a ver com a ereção, como a falta de desejo ou de orgasmo e a ejaculação precoce ou retardada. Por isso, o termo impotência sexual, na literatura, foi substituído por disfunção erétil quando significa a incapacidade de conseguir ereção satisfatória para o ato sexual.

Drauzio – A disfunção erétil atinge que universo de homens?

José Mário Reis – Estima-se que, em âmbito mundial, uma população em torno de 155 milhões de homens apresentem disfunção erétil. Estima-se também que, em 2005, aproximadamente 300 milhões de homens manifestarão esse problema. No Brasil, calcula-se que os casos atinjam 10 milhões de homens.

Considerando-se a população adulta acima de 18 anos, estima-se, ainda, que 52% dos homens apresentarão algum grau de disfunção erétil: 10% representam os casos graves; 25%, os de disfunção moderada e 17%, os de disfunção mínima.

Mesmo assim, o termo disfunção erétil continua impreciso e contraditório. Deveria ser disfunção sexual. Quando se pergunta a um indivíduo sobre sua sexualidade, pergunta-se sobre ereção satisfatória ou não e sobre a qualidade da relação sexual. Para analisar o problema, mistura-se um pouco da epidemiologia com a avaliação emocional emitida pelo paciente.

CAUSAS AS DISFUNÇÃO ERÉTIL

Drauzio - Quais são as principais causas da disfunção erétil?

José Mário Reis – Há quatro causas principais. A mais importante é a emocional e atinge 70% dos homens. Os 30% restantes apresentam uma disfunção orgânica que pode ser vascular de origem arterial, hormonal e, em pequeno número, resultado de alterações na anatomia do pênis, como ocorre na doença de Peyronie.

Drauzio – E o cigarro, que influência tem?

José Mário Reis – Não vou repetir que o cigarro causa impotência sexual, porque isso está estampado nos maços que os fumantes compram. Vou citar um trabalho bem simples que fizemos aqui em São Paulo mesmo. Foram estudados doze indivíduos com histórico de disfunção erétil, todos fumantes. Para investigar a extensão de cada caso, aplicamos o teste de ereção farmacológica, isto é, injetamos uma droga no pênis e observamos o resultado. Todos responderam positivamente, obtendo um ângulo de ereção maior do que 105 graus em média. Uma semana depois, eles retornaram, mas antes de repetir o exame fumaram dois cigarros. Em 80% deles, o ângulo de ereção caiu para 60 graus o que não deixa dúvidas sobre a ação deletéria do cigarro no mecanismo da ereção.

Drauzio – O que se entende por causas emocionais da disfunção erétil?

José Mário Reis – A disfunção erétil não envolve apenas o pênis. Quando se estuda esse órgão, deve-se pensar sempre nele e na pessoa que o comanda, na vagina que está a sua frente e na pessoa que comanda essa vagina. A relação entre pênis e ereção subentende um envolvimento entre pessoas. Daí, a grande dificuldade para determinar o diagnóstico. Sexualidade não é doença, é disfunção. Se o indivíduo quebra uma perna, o ortopedista avalia a fratura e trata daquela perna independentemente do que o paciente esteja pensando ou sentindo. Na sexualidade, ao contrário, o enfoque tem de ser emocional, porque o pênis faz parte do relacionamento íntimo entre duas pessoas. É de extrema importância estabelecer se ele funciona mal e compromete a relação, ou se funciona mal porque a relação já está comprometida. Como já disse, em 70% dos casos de disfunção erétil, a emoção está envolvida na causa. É impossível, por exemplo, manter a ereção se o casal for surpreendido por ladrões, pois o medo libera substâncias (adrenalina) que bloqueiam o estímulo sexual. Se o indivíduo atravessa um mau momento na vida, não se pode exigir que tenha bom desempenho eretivo.

Drauzio – Há algum método para separar os casos emocionais dos orgânicos?

José Mário Reis – Há dados importantes a considerar. Estudos realizados pelo Instituto H. Ellis evidenciam que os homens procuram ajuda, em média, só quatro anos depois que o problema começou a manifestar-se. Isso demonstra como é difícil vencer a inibição e procurar um médico para tratar do assunto. Em comum, a história é sempre longa, mas com aspectos distintos. Uns se queixam da má performance em casa e também com outras parceiras. Se lhe perguntamos, porém, sobre a data da última relação, a resposta é contraditória – “Foi ontem e foi ótima.” – o que denota um problema de ordem provavelmente emocional.

No entanto, há aqueles que, apesar dos inúmeros insucessos, continuam tentando. Embora o pênis não corresponda, não se entregam, o que sugere a possibilidade de um componente orgânico. Existem, ainda, aqueles que desistiram de tentar. A última relação ocorreu há bastante tempo. Um comprometimento da ereção desse tipo é difícil de entender especialmente se considerarmos o mecanismo involuntário e constante das ereções noturnas indispensável para a manutenção saudável do sistema.

Durante certo período, imaginou-se que, se havia ereção noturna, a emoção era a responsável pelo mau funcionamento do pênis em vigília. Hoje, sabe-se que a doença arterial, por exemplo, pode impedir que o sangue chegue em volume adequado ao pênis. À noite, com o indivíduo mais relaxado, o fluxo sanguíneo é suficiente para provocar ereção o que não acontece quando a resposta sexual exige presteza. Portanto, ereção noturna não garante a integridade do mecanismo da ereção.

Drauzio – Está cientificamente comprovado que a ereção noturna é fundamental para manter a integridade das estruturas anatômicas do pênis, porque sem elas o sangue venoso retido exerce ação deletéria sobre os corpos cavernosos?

José Mário Reis - As ereções noturnas ocorrem durante as fases de sono REM e são fundamentais para preservar os corpos cavernosos e o mecanismo da ereção. Não afastam, porém, a hipótese da incidência de algumas doenças como diabetes e aterosclerose. Em vista disso, foi criado um aparelho para registrar a ocorrência e o grau das ereções enquanto o indivíduo dorme a fim de avaliar se a fisiologia está conservada.

RESISTÊNCIA MASCULINA

Drauzio – Por que os homens com dificuldade de ereção hesitam em procurar ajuda?

José Mário Reis – A resistência parte do próprio indivíduo. É muito fácil procurar o médico para queixar-se de falta de ar, tosse ou dores no estômago. Admitir, porém, sua impossibilidade de manter relações sexuais é algo custoso e deprimente. Em geral, os homens só tomam a iniciativa estimulados pela parceira que nem sempre os acompanha ao consultório, mas é quem marca a primeira consulta. Eles cedem porque a relação está em jogo. A suspeita, por parte da mulher, de que haja um envolvimento extraconjugal e/ou sua suposição de ter-se tornado menos atraente e sedutora, muitas vezes, contaminam o relacionamento do casal.

CAUSAS EMOCIONAIS

Drauzio – Quais as causas emocionais que podem inibir o mecanismo da ereção?

José Mário Reis – A ansiedade encabeça a lista das causas emocionais que bloqueiam o mecanismo da ereção. Pode ser provocada pelo medo de falhar pela segunda vez ou pela inibição ou alvoroço diante de uma parceira que desperte atenção especial. A frase – “Você é muita areia para o meu caminhãozinho!” – elucida essa situação que, em geral, não ocorre com a companheira que pode até ser mais bonita e sedutora.

Outra causa importante é a falta de controle ejaculatório. O medo de ejacular depressa demais, de não dar prazer à parceira, de não conseguir a penetração que considera ideal, cria tanta ansiedade que ele falha durante o ato sexual.

Drauzio – Qual a influência do estresse a que está submetido o homem moderno?

José Mário Reis – O estresse do cotidiano, a falta de dinheiro no banco e o cigarro, por exemplo, são fatores que pesam no desempenho sexual do homem contemporâneo. Fala-se muito como as pessoas deveriam portar-se para estimular o desejo. Como pedir a um homem ou a uma mulher cujo dinheiro não chega para pagar as contas do mês que estejam dispostos a criar um clima e colocar um disco romântico na vitrola? O ideal seria transformar o ambiente e a rotina familiares, mas isso não é tarefa fácil.

Drauzio – Até que idade o homem pode estar ativo sexualmente?

José Mário Reis – Sexualidade não tem padrão. Basta lembrar que, em férias, as pessoas transam mais. Os parceiros não mudaram; mudaram o ambiente e o perfil da libido. Nessa hora, percebe-se que a sexualidade varia de instante para instante, de pessoa para pessoa, depende do relacionamento interpessoal e faz parte da qualidade de vida do ser humano. Por isso, seria temerário caracterizar procedimentos, ditos normais, nesse campo.

Grosso modo, o envelhecimento não traz consigo a perda da ereção nem da sexualidade. Entretanto, elas variam de acordo com a postura de cada indivíduo perante a vida. Um homem de 90 anos pode ter atividade sexual satisfatória com ereção, se estiver saudável, otimista e bem disposto. Essa capacidade, porém, estará ausente naqueles que, apesar de mais novos, estejam deprimidos ou doentes.

CAUSAS ORGÂNICAS

Drauzio – Quais as causas orgânicas da impotência?

José Mário Reis – Hoje, muito da atenção se volta para o distúrbio hormonal, porque se leva em conta o envelhecimento da população como um todo. Disso advém a proposta de indicar o uso de hormônios aos homens acima de 50 anos, como se faz com as mulheres. Todavia, é preciso tomar cuidado. Essa conduta ainda não foi cientificamente comprovada. Além disso, os homens não apresentam declínio abrupto dos hormônios masculinos porque, sendo preservadores da espécie, mantêm-se aptos para procriar durante toda a vida e para tanto precisam conservar o sistema íntegro.

Drauzio – Mas a taxa de testosterona não cai com a idade?

José Mário Reis – Cai, mas não num nível que exija reposição. Na verdade, se dosarmos os índices de testosterona ao longo dos anos, veremos que sua produção estará preservada, assim como estarão preservados os espermatozoides. Um homem com 80 anos pode ter ereção e espermatozoides saudáveis para a reprodução.

Drauzio – É preciso considerar também a relação entre a reposição hormonal e o aumento da incidência do câncer de próstata.

José Mário Reis – É verdade. Por isso, repito que é preciso tomar muito cuidado. Felizmente, apenas 4% dos homens apresentam esse tipo de distúrbio que se reflete não na falta de ereção, mas na ausência do desejo sexual.

Drauzio – Há outra causa orgânica que mereça destaque?

José Mário Reis – Não se pode deixar de citar a causa vascular. A artéria ilíaca é responsável pela irrigação das pernas e dos genitais, ou seja, através dela o sangue que sai da aorta flui para essas partes do corpo. Se estiver obstruída por placas de ateroma, o indivíduo sentirá dor na barriga da perna, na coxa ou nas nádegas, quando anda. Ora, se é a mesma artéria que conduz o sangue para os membros inferiores e os genitais, é provável que a má circulação provoque também disfunção erétil. O indivíduo chega a ter ereção, mas não a mantém, porque ocorre uma fuga venosa.

Drauzio – Explique melhor o que é fuga venosa.

José Mário Reis – Nos anos de 1980, fuga venosa foi a expressão usada para explicar que o indivíduo perdia a ereção durante o ato sexual porque o sangue que chegava pelas artérias não ficava aprisionado nos corpos cavernosos e escapava pelas veias num volume e rapidez maior do que seria normal. Essa explicação simples e lógica serviu de fundamento para um número expressivo de cirurgias de ligadura das veias penianas. No entanto, essa terapêutica foi abandonada porque se concluiu que a doença não estava nas veias, e sim no mecanismo da ereção (o sangue chegava sem pressão) ou no aporte emocional.

DIABETES E AUTOINJEÇÕES

Drauzio – Qual o tratamento que se pode oferecer aos diabéticos com disfunção erétil?

José Mário Reis – Diabetes mal controlado evolui, geralmente, para complicações renais, oftalmológicas e genitais. Considerando tão-somente os aspectos sexuais da questão, trata-se de uma doença neurológica que altera os nervos que estimulam o pênis. O mecanismo da ereção está preservado, mas os nervos deixaram de comandá-lo. Embora o cérebro passe o estímulo para a medula, ela não o transfere para o pênis de forma harmônica.

Nesses casos em que a disfunção erétil resulta de uma falha na enervação, o tratamento proposto é a autoinjeção, que consiste em injetar no corpo cavernoso uma droga que provoca vasodilatação no pênis, favorecendo a entrada de mais sangue. O efeito é praticamente imediato. Cinco minutos depois de tomá-la, a ereção acontece.

Drauzio – Não dói introduzir uma agulha no pênis?

José Mário Reis – Dói muito pouco. Quando se pensa em aplicar uma injeção no pênis, a expectativa é de uma dor intensa. Acontece que o pênis, como o braço, tem pouca enervação e, ao penetrar a agulha, que é muito fina, o indivíduo sente apenas uma dorzinha. Diante da dor que esperava, ela é insignificante. Há indivíduos satisfeitos com os resultados que tomam injeções desse tipo há mais de 15 anos sem nunca terem reclamado do incômodo da dor.

A autoinjeção pode ser indicada para diabéticos e para homens submetidos à prostatectomia radical, isto é, a retirada total da próstata que estava comprometida por câncer. Nos casos emocionais, associada à psicoterapia, também tem-se mostrado eficiente.

Drauzio – Ninguém se queixa que ir ao banheiro para tomar a injeção quebra o clima?

José Mário Reis – A felicidade de manter o pênis ereto compensa qualquer sacrifício, especialmente porque a ereção dura hora e meia em média, muito mais do que qualquer homem normal consegue manter.

As primeiras aplicações requerem cuidado especial porque a ereção pode prolongar-se por mais de 6 horas. Há um caso curioso a respeito disso. Pedi a um paciente que começasse usando pequenas doses e que me mantivesse informado. No dia seguinte, ele me telefonou dizendo que tudo tinha corrido muito bem, mas que estava em ereção plena havia 12 horas. Pedi que fosse ao consultório. Para minha surpresa, contou-me que estava em Miami o que dificultou um pouco o atendimento.

PRÓTESES PENIANAS

Drauzio - Que inovações trouxeram as próteses penianas?

José Mário Reis – As próteses penianas provocaram verdadeira revolução no campo da disfunção erétil. Na verdade, o nome deveria ser implante, porque a palavra prótese subentende a ideia de que alguma coisa foi retirada para outra ser posta no lugar. Não é esse o procedimento adotado. Para introduzi-las no corpo cavernoso, apenas afasta-se o tecido esponjoso, mantendo intacta a enervação do pênis e a glande. Em geral, são feitas de silicone e dão rigidez ao pênis permitindo a penetração na vagina sem alterar a capacidade de ejaculação, nem o desejo, nem o prazer.

Vencidas as dificuldades inerentes a qualquer pós-operatório, o desempenho sexual é restabelecido e, seis meses depois, o indivíduo nem se lembra de que usa uma prótese.

As primeiras tentativas de aplicação de próteses datam do século XIX. Essas eram feitas com um pedaço de costela. O problema é que o osso era reabsorvido pelo organismo e elas duravam pouco. Mais tarde, surgiram outras com articulações semelhantes às dos dedos da mão. Podiam ficar eretas e dobrar-se. Também não deram muito certo.

Atualmente, usa-se uma prótese dotada de um mecanismo hemodinâmico muito simples e que pode ser acionado pelo próprio portador permitindo o controle da ereção segundo sua vontade. Como não se mexe na enervação nem na glande, a sensibilidade fica totalmente preservada. Basicamente, ela consiste no seguinte: dentro do escroto, coloca-se uma bolsa cheia de líquido cuja saída é vedada por uma bolinha. Se esse pequeno reservatório for apertado com a mão, a bolinha se movimenta, o líquido é liberado e o indivíduo entra em ereção. Basta dobrar o pênis para que a situação se reverta. O líquido reflui para a bolsa, a bolinha retorna à posição inicial e a ereção desaparece. Embora a garantia dessas próteses seja de 5 anos, vários pacientes as usam há mais tempo sem complicação alguma. Além disso, o procedimento cirúrgico é bastante seguro e o período de internação muito curto. A única recomendação importante é que a prótese não deve ser usada nos primeiros 30 dias depois de sua implantação.

Drauzio – Como reagem as mulheres diante dessa nova realidade?

José Mário Reis – Muitas se sentem inseguras imaginando que o comportamento do companheiro se tornará mais ousado com outras parceiras. As próteses não mudam a personalidade de seu portador. Ele seguirá agindo como sempre de acordo com seus princípios, valores e interesses.

FÁRMACOS

Drauzio – Sem mencionar os nomes comerciais, vamos falar brevemente sobre as drogas utilizadas para ativar o mecanismo da ereção. Uma é a apomorfina que age nos centros cerebrais. A outra, a mais conhecida, é o sildenafil que age no próprio pênis e provoca vasodilatação. Qual é sua experiência com a utilização dessas drogas?

José Mário Reis – Acredito que o sildenafil tenha vindo para ficar, porque provou sua eficiência no corpo cavernoso considerado competente, ou seja, sem alterações patológicas. Nesse aspecto, essa droga serve até para testar se existe uma doença orgânica ou não. Se tomando corretamente o sildenafil ocorrer uma ereção plena, provavelmente o sistema está saudável. Nas lesões neurológicas, isto é, nas lesões de enervação como as provocadas por diabetes, traumas de medula ou na prostatectomia, a resposta gira em torno de 50% a 57%. Para esses casos, a autoinjeção apresenta melhores resultados.

Drauzio – Há algum risco no uso do sildenafil, uma vez que sua venda está liberada no comércio e muita gente a utiliza como droga de recreação?

José Mário Reis – Para pessoas jovens e saudáveis praticamente não há problema. Essa droga age por um período determinado e depois é eliminada do organismo. Seu efeito vasodilatador não se restringe ao pênis, mas reflete-se na musculatura lisa, artérias e veias de todo o corpo. Por isso, é preciso tomar cuidado. Se a pessoa apresenta problemas cardíacos e já faz uso de outros vasodilatadores, pode somar seus efeitos e ter complicações no quadro clínico.

Drauzio – Você acha que essa droga é realmente segura?

José Mário Reis – O sildenafil está sendo usado no mundo todo praticamente há dez anos. É uma droga segura, que oferece bons resultados e sem relato de complicações sérias decorrentes de sua utilização. No entanto, no caso daqueles que tomam vasodilatadores para o coração, só deve ser utilizada com orientação médica.

Drauzio – Há novos medicamentos para serem lançados nessa área?

José Mário Reis – Na linha dos vasodilatadores, estão sendo testados medicamentos que vão produzir ereção mais rápida e duradoura. A ideia é que seus efeitos apareçam depressa e se estendam por 24 horas, em vez das 4 horas que se consegue tomando sildenafil.

http://drauziovarella.com.br





segunda-feira, 21 de abril de 2014

Vídeo: Projeto o Resgate do Valor do Rio Carlinda


Mais um trabalho realizado pelos alunos do 2º ano EJA, escola Tancredo de A. Neves,
coordenado pela professora Ivoneide, este projeto foi contemplado com uma maquina
fotografica e uma empressora. Trabalho de campo realizado com alunos e professora
as margem e leito do rio Carlinda, foram retirado 980 kg de lixo entres eles pneus,
 bicicletas geladeira, resíduo de animais morto, garimpos e  ceramicas etc. atraves
deste trabalho  foram realizado palestra em salas de aulas, entrevista com professores,
 e alunos  em 2004.
Obs.: Este vídeo foi produzido em VHS é de baixa qualidade.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Vídeo: Agricultura Familiar